Seis anos

photophoto
O meu segundo bebé faz hoje seis anos e eu acabei de queimar o bolo que ia agora levar à escola. Restam as velas e os enfeites (feitos com seis palitos e bocadinhos destes papéis).
Aos seis anos já se escreve ditongos que se penduram na parede porque escrever é bom e usar fita-cola é melhor ainda.
E agora vou comprar um bolo porque já não tenho tempo para fazer outro.
Parabéns, minha linda Rosa.

O que mudou II

photo
Elas mudaram de escola. E foi também por isso que mudámos de casa. Para ficarmos perto de boas escolas.
Pela primeira vez tenho filhas em escolas públicas. E ao fim de vários anos volto a ter filhas em escolas portuguesas.
Sou totalmente a favor da ideia de escola pública, devo dizer desde já. Aliás sempre achei que era aí que iriam estudar as crianças que eu viesse a ter. E, no entanto, neste momento elas só não continuaram a estudar na escola em que estavam — privada e estrangeira — porque eu não tenho forma de a continuar a pagar.
Porque eu gosto da escola pública se ela for boa. E tenho algumas dúvidas sobre se neste momento assim será.
Elas adaptaram-se à mudança num instante. Eu ainda estou a trabalhar nisso.

Prendas

photo
Gosto de fazer as prendas para elas oferecerem nas festas de anos para que são convidadas. É mais uma oportunidade de testar as trezentas ideias por minuto que me passam pela cabeça e também uma boa maneira (espero eu) de ensinar às crianças que nem tudo tem de ser comprado.

De novo

 
photo 
1. No início do ano comecei um projecto que só acabará no final de Dezembro.
52 semanas = 52 cartas para a minha sobrinha Maria que está a viver em Berlim.
2. Uma ideia para os Domingos: aproveitar as manhãs, em que as entradas são gratuitas, para ir visitar os Museus de Lisboa. Começámos pelo MNAA, com o seu belíssimo jardim virado para o Tejo.
3. Espalhar estrelinhas ou como transformar umas camisolas quentinhas mas sem grande graça em roupa apetecível para as crianças cá de casa.
4. Novas alcofas para novos bebés.

Nove anos!

photo
Aqui tinha pouco mais de dois anos. Continua a ter os mesmos olhos fabulosos. Lê livro atrás de livro. Usa palavras difíceis ao mesmo tempo que continua a dormir com o gato que lhe fiz há anos. É ultra observadora. Fora de casa é tímida e reservada. Em casa é teatreira, refilona e doce, tudo ao mesmo tempo.
É uma linda pessoa, a minha filha de nove anos.

A Mariana

photo
A Mariana convidou-me para um projecto seu — ainda no segredo dos deuses — e esse foi o pretexto para, finalmente, nos conhecermos ao vivo.
As miúdas adoraram as horas que passámos juntas e eu, sortuda, fiquei com um monte de lindas fotografias de nós as três e da nossa casa. Obrigada, Mariana.
Fotografias: © Mariana Sabido

Com as mãos

photophoto
Às vezes preocupa-me que não ande a gastar o tempo suficiente a incentivar as minhas filhas a fazerem mais trabalhos manuais. Com uma mãe que tem sempre um trabalho nas mãos, seja em casa, no comboio ou na esplanada, provavelmente elas não têm a mesma curiosidade que teriam se não tivessem a casa cheia de lãs e tecidos e tintas e papéis e espumas e caixas e tudo o que é preciso para fazer o que se queira.
Mas depois, de vez em quando acontecem destas coisas — vêm de casa da avó com um monte de cartões brancos e um saco de retalhos e fecham-se no quarto com a urgência de quem tem coisas importantes para fazer. E saem de lá com isto.
E eu percebo que está tudo bem.
E, mais uma vez, imitar é bom, que é o que as irmãs mais novas fazem quando olham para o exemplo das irmãs mais velhas.

photo
Tão importante como ter irmãos é ter-se também algum tempo sem eles.
Em quinze minutos sem a irmã, a Rosa concentra-se em tudo o que tem à mão no jardim e desenha com pedras e paus. Explicação dela:
uma menina dentro de uma casa que tem uma chaminé a deitar imenso fumo. Cá fora há árvores e um rapaz.

photo
1. De vez em quando faço desaparecer um molho de brinquedos a que já ninguém liga e que só serve para lhes encher o quarto. Ficam guardados em caixas escondidas que só eu sei onde estão até ao dia em que, sem aviso, voltam a aparecer. E aí é a festa, como se fossem todos novinhos em folha.
2. Olho para a roupa de cama de uma das alcofas de bonecas e apetece-me fazer tudo igual mas em tamanho de gente.