photo
“Clássicas, com filhos, sem filhos, com papéis ou unidas de facto, heterossexuais, homossexuais, monoparentais, recompostas, numerosas ou em versão mini: a família mudou e muito nos últimos anos em Portugal, mas não se pode dizer que esteja em crise. Ao contrário, o número de famílias aumentou 10,8% nos últimos dez anos, segundo resultados provisórios do Censos 2011, e aumentou também a sua importância no bem-estar de cada um.”
in Público, 31.12.2011, pág. 5
Uma coisa muito boa que ficámos a saber este ano. Venha o próximo.
Feliz ano novo.

Mais prendas

photo
photo
photo
photo
Para o meu Tio M. a prenda deste ano não é bem uma prenda, é mais uma devolução já que o carrinho de brincar que lhe vou dar era dele em pequenino. Eu sou há anos a sua fiel guardiã mas, agora que ele vai ser avô, chegou a hora de o devolver. Juntei umas fotografias dele e da minha mãe em pequenos e pus tudo dentro de uma caixa de bolos, outra das minhas formas preferidas de embrulhar prendas.
Para alguns dos mais crescidos da família, que talvez se lembrem de os usar na escola, as prendas são cadernos escolares e lápis Viarco de duas cores.
A almofada-mala foi a prenda de anos da minha sobrinha mais pequena e talvez venha a fazer mais umas até ao dia 24 porque há poucas coisas mais rápidas de fazer.
O embrulho em tecido é a prenda da minha mãe, que só vou poder mostrar aqui depois do Natal. O efeito-surpresa assim o obriga.

Embrulhar

photophotophoto

É uma das minhas tarefas preferidas no Natal. Este ano, como noutros, com o que há cá por casa em quantidade: as páginas da revista mais bem desenhada do mundo (para os rapazes) e os retalhos das minhas alcofas (para as raparigas).

 

Prendas

photo
photo
photo
photo
A Mimi, a boneca de dormir da R., ganhou um namorado e uma filha. Toscos como ela porque eu não sou uma especialista em bonecos. A primeira prenda da lista de prendas-de-natal-feitas-por-mim está pronta e embrulhada. Seguem-se os cachecóis.

Penha Longa

photophoto
photo
photo
O melhor dos últimos dias foi poder admirar o palácio em que esteve instalado o Mercado de Natal da Penha Longa. Uma beleza.
Sempre que fotografo um chão de mosaico hidráulico lembro-me do fabuloso catálogo de imagens que a Rosa tem construído. E arrepio-me com o que ela lá escreveu: muitos daqueles pavimentos já não existem. Restam, felizmente, as imagens.

Outro mercado

photophotophotophoto

A partir de amanhã, e até Domingo, vou estar no Mercado de Natal da Penha Longa. Para além das alcofas, levo mantas de bebé com almofadas e os novos casacos de criança tricotados pela minha mãe. O modelo é igual a este e a lã é da Serra da Estrela, linda e ultra-quente. Espero-vos por lá!

Dias do Mercado

photo
photo
photo
photo
Foram quatro dias de animação completa. Pela arena do Campo Pequeno passaram cerca de 55 mil pessoas. Umas dezenas de crianças baloiçaram-se na rena de madeira da R. que levei para me fazer companhia. As minhas alcofas foram mexidas e admiradas por centenas de pessoas. Muitas delas contaram-me histórias deliciosas sobre as alcofas em que dormiram ou que ainda guardam lá em casa do tempo em que os filhos eram bebés. Para mim foi um verdadeiro “descer à terra”, porque às vezes é difícil manter presente que nem tudo passa pela internet e que há muitas, muitas pessoas que nem se lembram de que ela existe.
À equipa do costume, que tornou esta maratona possível, e a todos os que me visitaram, muito obrigada.