Caderno do bebé

photo  photophoto  photo  photo  photo  photo  photo  photo  photo
De volta de uns dias a Sul, venho aqui mostrar a última boa ideia da minha mãe. É um caderno e serve para registar o primeiro ano de cada bebé.
Eu nunca consegui ter um livro do género para os meus bebés porque nunca vi um de que gostasse. Aliás, sempre fugi a sete pés de tal coisa porque sempre achei os que vi simplesmente pavorosos. Agora já tenho um para cada filha e, mesmo à distância, porque elas já não são bebés, reconstituirei o primeiro ano de vida de cada uma delas. Vou finalmente poder juntar no mesmo sítio as memórias dos dois anos mais intensos da minha vida. Para mais tarde recordar.
Cada exemplar é encadernado à mão pela minha mãe e cada página foi desenhada pela minha sobrinha Maria, uma designer portuguesa que anda a espalhar o seu talento pelo mundo (ela vai achar isto um exagero mas é a mais pura das verdades).
As duas juntas são uma equipa poderosa.
O resultado é lindo — um caderno para ir preenchendo ao sabor do crescimento do bebé ou puxando pela cabeça para que a memória não fuja. Sem bonecadas patetas, sem conversa delico-doce. Apenas um lindo caderno que apetece mesmo preencher.
Para saber mais, basta espreitar aqui ou no facebook.
Anúncios

Rosa e o cão

photo
O único brinquedo a pilhas de que eu gosto é este — um cão de peluche com capa amarela e chapéu de chuva, que canta o “Singing in the rain” com a voz do Gene Kelly, enquanto marca o ritmo com o pé esquerdo e abana os braços numa pequena dança.
Eu gosto muito dele, a Rosa ADORA-O. Se um dia houvesse um incêndio e eu tivesse de escolher o brinquedo dela que seria premente salvar, seria este e mais nenhum.
Não consigo mostrar como ele é mesmo, mesmo giro, até porque faz parte do seu encanto vê-lo ser tomado nos braços dela e ouvi-la dizer que ele é seu amigo. Mas posso tentar dar uma ideia — é ouvir aqui a voz original e tentar imaginar que afinal era um cão de peluche que cantava, ao colo de uma menina de quatro anos que o acha encantador.

Dos dias

Trabalho, faço roupa de verão com o que há em casa, tento não desesperar por não estar já na praia, dou gelados às miúdas.
Há uns meses descobri este video. Ontem vi este (via facebook da Rosa Pomar). Não têm relação nenhuma entre eles mas eu estou igualmente fascinada pelos dois.

Central Parque

photo  photo
photo  photo
photo  
Temos um novo sítio preferido. Chama-se Central Parque e é um quiosque com esplanada que fica no meio do Parque Eduardo Sétimo, logo abaixo da Estufa Fria.
Para nós é ao lado de casa e, apesar de ficar no centro de Lisboa, é uma espécie de oásis no meio da cidade. Não se ouve um carro, tem patos, galos, pavões e gansos a passarinhar no jardim e — o melhor de tudo para a criançada cá de casa — um super parque infantil mesmo ao lado da esplanada.
O Miguel e a Didi, os anfitriões, recebem-nos sempre tão bem que o difícil tem sido não passar lá os dias inteiros.