Eu e os meus planos

photo      photo  photo
photo  photo   photo  photo
Quem, como eu, tem de quinze em quinze dias um fim-de-semana sem crianças porque elas vão para casa do pai, saberá perfeitamente do que trata este post. Quem não tem, ficará a saber da loucura que impera na minha cabeça. Espero que não enlouqueçam também ao lerem-me.
Durante quinze dias eu imagino que esse fim-de-semana em que as miúdas e o Sebastião não estarão em casa, será aquele em que eu farei o seguinte: arrumarei a casa a fundo, incluindo todas as gavetas, prateleiras e armários e todos os cantos e cantinhos de todas as divisões da casa. Farei almofadas novas para os sofás e ainda umas novas para o beliche e mais uns chouriços para todas as janelas, porque está frio lá fora e o Inverno está a chegar. Trabalharei como uma doida, pondo em dia as dezenas de e-mails que recebo por dia (mil desculpas a quem está à espera), as alcofas de bebé todas que tenho encomendadas e ainda duas ou três novas para pôr na loja. Farei sete ou oito alcofas de bonecas porque o Natal está aí e as encomendas estão a aumentar. Dividirei por cores todos os retalhos que tenho enfiados em sacos, porque quero fazer várias mantas e estou farta dos ditos sacos. Organizarei as fotografias no meu computador porque o desktop está outra vez caótico e desta vez é que vai ficar tudo em pastas e em backups.
E ainda: paginarei o meu projecto secreto, que tenho alinhavado em cadernos, e escreverei longas missivas à minha sobrinha Maria, à minha afilhada Carolina e à minha prima Constança, todas ausentes no estrangeiro e todas a fazerem falta por cá.
Depois ainda haverá tempo para: fazer uns jantares românticos com o João, beber um café com a minha mãe no Central Parque, ir ao cinema ou ver cinco episódios de seguida de uma das nossas séries preferidas, ir tomar o pequeno-almoço a um café giro e ficar a ler os jornais durante duas horas, ir à Feira da Ladra, ao Mercado Biológico do Príncipe Real e fazer um jantar com amigos.
A seguir há a parte do fim-de-semana em que eu tomarei um longo banho de imersão, demorarei uma hora a vestir-me, a pôr cremes e a fazer máscaras hidratantes para o cabelo. Também ficarei a ler na cama durante uma manhã inteira, farei uma panela gigante de sopa para a semana toda, se calhar tratarei finalmente da marmelada e do doce de abóbora e experimentarei a receita de um bolo que ali tenho há séculos.
Por fim: dormirei horas e horas, tentando compensar o pouco que dormi nos últimos dias e acordarei lá para o meio-dia em vez das 7 da manhã de sempre.
Se o João ler isto dirá que não é nem uma pequena amostra daquilo que eu me proponho fazer em cada um destes fins-de-semana. E tem razão. Mas eu pararei por aqui.
Há uns tempos eu chegava a Domingo à noite invariavelmente frustrada porque, obviamente!, não tinha sido possível fazer nem um décimo daquilo que tinha planeado.
Agora já consigo não desesperar se conseguir, pelo menos, fazer três ou quatro destas coisas. Devo estar um bocadinho mais crescida.
Anúncios

Saudade

photo
Já tinha visto dezenas de fotografias lindas e lido outros tantos comentários deliciados, mas nunca tinha ido ao Café Saudade e andava cheia de curiosidade.
No nosso fim-de-semana em Sintra lá fomos finalmente visitá-lo. É muito melhor ao vivo, porque cheira a coisas boas, o atendimento é muito simpático e o espaço é ainda mais bonito do que se percebe nas fotografias.
Tive pena de não conhecer a Mary mas comi o melhor bolo de cenoura de sempre.

K.I.S.S.*

photophoto
1.  Um truque: cá em casa toda a gente gosta de laranjas mas ninguém toma a iniciativa de lhes pegar, senão quando as corto em gomos e as levo para a mesa prontas a comer.
2. Herdei, das mãos generosas da minha Tia Ana, uns metros de renda feita à mão por uma senhora com mais de 90 anos. Prometo usá-la muito bem.
3. Quase tão bom, e muito mais barato do que comprá-las aos vendedores de rua, é assar umas castanhas no forno e comê-las à noite enroscada no sofá.
4. Faço questão de comemorar as coisas boas.
* Keep It Simple Stupid

Com as mãos

photophoto
Às vezes preocupa-me que não ande a gastar o tempo suficiente a incentivar as minhas filhas a fazerem mais trabalhos manuais. Com uma mãe que tem sempre um trabalho nas mãos, seja em casa, no comboio ou na esplanada, provavelmente elas não têm a mesma curiosidade que teriam se não tivessem a casa cheia de lãs e tecidos e tintas e papéis e espumas e caixas e tudo o que é preciso para fazer o que se queira.
Mas depois, de vez em quando acontecem destas coisas — vêm de casa da avó com um monte de cartões brancos e um saco de retalhos e fecham-se no quarto com a urgência de quem tem coisas importantes para fazer. E saem de lá com isto.
E eu percebo que está tudo bem.
E, mais uma vez, imitar é bom, que é o que as irmãs mais novas fazem quando olham para o exemplo das irmãs mais velhas.