O que mudou II

photo
Elas mudaram de escola. E foi também por isso que mudámos de casa. Para ficarmos perto de boas escolas.
Pela primeira vez tenho filhas em escolas públicas. E ao fim de vários anos volto a ter filhas em escolas portuguesas.
Sou totalmente a favor da ideia de escola pública, devo dizer desde já. Aliás sempre achei que era aí que iriam estudar as crianças que eu viesse a ter. E, no entanto, neste momento elas só não continuaram a estudar na escola em que estavam — privada e estrangeira — porque eu não tenho forma de a continuar a pagar.
Porque eu gosto da escola pública se ela for boa. E tenho algumas dúvidas sobre se neste momento assim será.
Elas adaptaram-se à mudança num instante. Eu ainda estou a trabalhar nisso.
Advertisements

10 thoughts on “O que mudou II

  1. Um assunto complexo, sem dúvida…
    Eu não concebo por a minha filha numa escola que não seja pública, sou aversa a guetos, que, como alguém aqui dizia, são naturalmente criados pelas mensalidades das escolas privadas. Antes as escolas públicas eram excelentes, mas parece que agora querem acabar com isso. Da minha turma numa escola secundária pública no Cacém, 5 pessoas concluíram doutoramentos. Mas a verdade é que há umas semanas, quando vi no ranking que a escola secundária do nosso antigo bairro era a pior do país inteiro, fiquei meio nervosa…seria capaz de a por lá?

  2. Que bom voltar a ler o seu blog!
    Tal como a sua filha mais nova, a minha filha mais velha também está a começar a escola de verdade. Uma transição difícil… Mas mais para mim do que para ela! A escola pública onde vivo é um assunto muito delicado. Tenho grandes dúvidas em relação à qualidade dos professores, dos alunos e dos pais dos alunos (afinal também somos importantes…). Mas, pelo menos, as turmas são pequenas.
    Marta (mãe da Teresa da creche)

  3. O ataque à escola pública é intencional e, nunca como hoje, foi tão evidente. vhm escreveu este mês no Jornal de Letras sobre esta triste e perigosa situação. Para já a maioria dos professores que conheço resiste e continua a ser muito zelosa no seu trabalho. Mas a sua força e boa vontade não são inesgotáveis. Podemos e devemos todos ser mais exigentes: enquanto pais e cidadãos. Um exemplo: Como é possível pensar em ensino individualizado com turmas de 30 meninos? O que aconteceu à oferta do francês, alemão, latim e grego? Ana

  4. Também sou completamente a favor da escola pública, que aliás toda a vida frequentei. No entanto, agora que tenho filhos e vivo em Lisboa – esta condição faz toda a diferença – começo a pôr em causa o que sempre defendi. A minha filha tem 2 anos e foi agora para a creche, num colégio privado (nem vale a pena falar aqui sobre a impossibilidade de arranjar vaga no público na creche / pré-escolar nesta cidade). E ponho-me a pensar se, quando chegar a hora de ir para a escola primária, não será melhor continuar no colégio: bom ensino, ambiente familiar, seguro, muitas actividades extra por onde escolher, boas instalações… Mas depois há aquela falta de diversidade que me faz um bocado de impressão. Apesar de haver crianças de muitas nacionalidades, têm todas vidas semelhantes, crivadas à partida pelo valor da mensalidade. Eu tanto tive amigos que viviam em belas moradias como outros que dormiam no sofá da sala. E sei que ter essa noção das diferentes realidades faz bem e faz falta a muita gente. Por outro lado, será que isso é suficiente para ignorar o que se passa no ensino público hoje em dia?
    Só por curiosidade, quando vivias em Campo de Ourique não gostavas das escolas locais? Pergunto porque, com esta história das novas freguesias, agora passei a pertencer a Campo de Ourique.

    • Joana, quando eu vivia em Campo de Ourique elas estavam na escola de onde saíram agora e só comecei a informar-me a sério sobre as escolas públicas quando já não vivia lá. Não sei, por isso, grande coisa sobre essas escolas, lamento.

    • Olá :D
      Sei que não me perguntou, mas aproveito para comentar que, como já escrevi aqui… tb eu deixei a minha localidade e a escola anterior … estávamos precisamente em Campo de Ourique, na MELHOR ESCOLA DE SEMPRE o Grémio de Instrução Liberal de Campo de Ourique. Tudo é bom ambiente, pessoal, instalações e claro a educadora Fátima e a auxiliar Cristiana :D
      A Ressano Garcia também é boa e a n.º 72 não é má de todo.
      Mas .. apesar de tudo quando pensei em colocá-lo na escola publica … vim para Oeiras, na Beça Múrias que recomendo vivamente.
      Beijinhos

  5. Olá :D
    Compreendo perfeitamente o que diz, o que sente e pensa!!
    Também eu mudei de casa este ano, porque tirei o meu filho do colégio.. custa-me tê-lo afastado dos seus amigos, do seu meio!
    Apesar de ser uma escola boa, com um ambiente saudável tenho os meus medos e receios, em relação a ele e ao próprio ensino!
    Naturalmente temos características muito positivas também, mas a minha preocupação com o seu futuro em termos escolares e até sociais (pelo menos por enquanto) são uma constante!!
    Espero que o futuro nos sorria :D

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s