Sobre Inês Nogueira

Mãe de duas filhas. Designer. Lisboeta.

Micro-presentes #4

Um molho de cartões carimbados que podem servir para deixar um recado, escrever um bilhetinho ou fazer um convite.
Os cartões são as sobras do papel usado nos Cadernos da minha mãe e vêm já cortados da gráfica. Tenho quilos deles e uso-os para tudo e mais alguma coisa.
Os carimbos estão todos à venda n’A Vida Portuguesa mas é possível ilustrá-los de muitas outras maneiras, até com uma flor ou uma rolha, como a Constança tão bem tem mostrado nos últimos dias.

Micro-presentes #3

Se há coisa que gosto sempre de receber é comida e, portanto, também gosto imenso de a oferecer.
Estes pequenos tubos de ensaio têm sal ribatejano das salinas de Rio Maior com diferentes misturas de ervas.
Não há quem não precise de tempero, na cozinha e na vida.
Custam 2,20 euros n’A Vida Portuguesa.
Micro-presente #1
Micro-presente #2

Micro-presentes #1

Por causa do orçamento muito apertado ando sempre à coca de micro-presentes.
São pequenos no preço e no tamanho (adoro fazer embrulhos minúsculos) mas adoráveis por alguma outra razão. Hei-de mostrar aqui vários dos meus preferidos.
1. Mini-sabonetes (25g) Tomelo.
São feitos em Trás-os-montes, com leite de burra. Cada um cheira melhor do que o outro. A dificuldade é mesmo escolher.
Custam 2 euros n’A Vida Portuguesa.

No Outono o bairro da escola da Rosa parece uma floresta encantada, tal é a quantidade de vegetação. No chão há um manto de folhas amarelas e junto aos troncos das árvores crescem cogumelos de todos os tamanhos.
Ninguém diria que se está no meio de Lisboa, mesmo ao lado de uma enorme avenida cheia de trânsito.
Às vezes sinto mesmo que a levo para uma casa mágica no meio de um bosque perdido. Um dia destes ainda nos aparece um duende ao virar de uma esquina.

O tricot

Tenho este livro precioso cá em casa. Foi-me emprestado pela minha colega Marisa.
A Marisa é uma especialista em livros antigos e uma apaixonada por livros em geral, tal como eu. Lá na loja há um tráfego constante de livros que às vezes me faz rir. Há dias em que os cacifos do armazém parecem um alfarrabista.
Ora a boa nova é que a Marisa quer vender este livro. E eu ofereci-me para o divulgar aqui no blog, sítio onde passam muitas pessoas interessadas em tricot.
A Rosa refere este livro no seu As Malhas Portuguesas, como sendo o primeiro livro português sobre tricot. E eu, que já o conheço, posso dizer que nunca tinha visto um livro tão exaustivo em informação sobre o tema. Para além disso, traz uns projectos deliciosos que apetece experimentar, como toucas para bebé, casacos de senhora e até gravatas.
Quem estiver interessado pode contactar a Marisa pelo e-mail: quasefomos@gmail.com
“O Tricot em todas as modalidades — à mão e à máquina”
Editorial “O Seculo”
4ª edição

A árvore

Quando eu era pequena os meus pais faziam questão de fazer todos os anos a maior árvore de Natal possível. Lembro-me do meu pai a serrar o tronco de um pinheiro gigante que não cabia no pé-direito da nossa sala.
Tinhamos imenso orgulho no tamanho das nossas árvores e até nutríamos um certo desprezo pelos pinheiros raquíticos que víamos em lojas ou em casas alheias. Éramos uns snobes-da-árvore-de-Natal porque a melhor, e a maior, de todas era a nossa.
A minha actual árvore — que vive debaixo da nossa cama durante o resto do ano — é ecológica e, dentro do género, até é bonita, mas é de plástico e não cheira a pinheiro.

A minha família é bestial #3

A minha mãe é uma super avó. Os quatro netos mais novos adoram ir dormir a sua casa. Os quatro juntos, sublinhe-se, e a respectiva barulheira alegria.
Também os leva de comboio para o Algarve. Atura-os Aprecia-os durante uma semana, volta de comboio e, espantemo-nos, repete a graça pelo menos duas vezes por ano.
Ora uma avó assim só podia acabar por inventar o Caderno da Avó. Depois do Caderno do Bebé e do Caderno do 1 aos 5, este novo caderno serve para as avós babadas registarem os momentos especiais com os seus netos, aquilo que mais gostam de fazer juntos e tudo o mais que rodeia a experiência de ser avó.
A minha mãe é uma valente com bicho carpinteiro — não sabe estar quieta e não descansa enquanto não põe em prática aquilo que lhe passa pela cabeça.
Muitos parabéns, mãe, por mais esta missão cumprida!
Para quem quiser ver todos os Cadernos ao vivo, eles vão estar no próximo sábado numa feira de Natal aqui.

Quase

1. O nosso presépio meio maluco inclui pessoas com coelhos e galinhas à cabeça, a Branca de Neve e um dos seus anões e, claro, o bebé mais famoso do mundo.
2. As etiquetas estão prontas. Só faltam mesmo os presentes.
Estamos quase no Natal.

A minha família é bestial #2

Foi lançado há cerca de um mês o livro feito pela minha sobrinha Maria, Imagina com Plasticina. Quem conhece o trabalho da Maria, sabe que ela é uma designer cheia de talento. Quem, para além disso, conhece mesmo a Maria, sabe também que ela é, acima de tudo, uma miúda divertida com a cabeça sempre a fervilhar de ideias.
Eu aqui me confesso: sou fã da minha sobrinha e do seu trabalho.
O meu pai ofereceu o livro à Rosa no dia dos seus anos e ela tem andado, desde então, a imaginar caras, comidas, nuvens, chuva, bichos, tudo o que se pode fazer com plasticina. E tudo se pode mesmo fazer com plasticina, até escrever.
Um livro muito divertido que apetece estar sempre a fotografar, antes que a plasticina seja descolada e usada outra vez.
Muitos parabéns, querida Maria!

Dos dias

Não quero parecer mal agradecida mas a verdade é que às vezes, muitas vezes, me apetecia ter uma casa pequenina em vez de sete assoalhadas para gerir.
Tomar conta de uma casa grande, e mantê-la limpa, arrumada e, portanto, confortável, parece-me cada vez mais o mais inglório dos trabalhos. Nunca está tudo feito, está sempre quase tudo por fazer.
Farta, muito farta das lides domésticas, concentro-me nos detalhes, aqueles que realmente me dão prazer e que me fazem continuar a gostar deste ninho a que chamamos casa.
1. Arranjar finalmente função para o cesto que comprei há uns meses na Feira da Ladra. Os tricots em curso deixam assim de ter lugar cativo na poltrona da sala.
2. Promover um postal a quadro, só porque o adoro.
3. Pôr uma capa de edredon nova na cama da Leonor e ficar deliciada com o contraste que faz com o tapete de trapos.
4. Pôr flores secas numa jarra que, na verdade, é um frasco de laboratório antigo.
E dito isto, pode concluir-se que eu não sou bem uma mulher adulta com uma família a cargo. Sou mais uma menina pequena que gosta de rebuçados e não de arrumar a casa.