Até já

Vamos uns dias para paragens ainda mais quentes do que Lisboa mas onde pelo menos as casas são feitas para tornar o calor suportável e as portas têm chaves assim gigantes que ajudam a guardar o fresco do lado de dentro.

Serão poucos dias mas suficientes, espero, para mergulharmos de cabeça no modo-férias. Pés descalços, poucos horários e viva o Verão que é muito bom e passa a correr. Até já.

– – –

Mais coisas boas: ver outros bebés com dodô.

Alcofa

Quando estava grávida da L. comprei uma alcofa de palhinha onde ela dormiu até aos seis meses ao lado da nossa cama. Quando passou para a cama de grades do seu quarto guardei a alcofa junto das roupas de recém-nascido que já não serviam. Um ano e tal depois emprestei-a a uns amigos – o S. foi o segundo ocupante. E quando seis meses depois nasceu a minha sobrinha C. eu achei que a alcofa já tinha história digna de registo e fiz uns cartões com os nomes dos bebés que pus por baixo do colchão presos à palhinha.

Agora que a R. passou para a cama de grades guardei de novo a alcofa. E ao ver os nomes dos cinco dorminhocos que já por ali passaram fico a pensar quem será o próximo. Se se mantiver a mesma sequência sei que será um rapaz…

– – –

À terceira saia tinha de haver riscas, claro.