Mini alcofa

mini alcofa by you.

mini alcofa by you.

A lembrar a alcofa da L. e da R. mas em ponto pequenino. Com forro almofadado, colchão, almofada e mantinha em tweed (a minha mais recente paixão). Este bebé já merecia trocar de cama.

Bules e gorros

bules by you.

gorros by you.

Longe de me apetecer já o Inverno, passei o dia a pensar nele. E em gorros grossos de lã. E em bules de chá.

Estes são de plástico e vieram da Guiné Bissau onde são usados pela população muçulmana para a lavagem de pés e mãos que precede as várias orações diárias. Adoro-os. Pelas cores e pelo insólito de serem de plástico. A L. gosta deles pela escala, igual à dos a sério e gigante perto das chávenas pequeninas das bonecas.

Os gorros tricotei-os há uns meses já a pensar no próximo Inverno. Têm o modelo mais simples e o meu preferido. Em quatro anos de vida a L. já teve uns dez, de várias cores, com riscas e sem riscas, com pompons e sem nada.

Pensar em lãs e tricot ajuda-me a aceitar melhor o facto de que um dia destes vai ser Inverno outra vez.

Barbie bag

Há, provavelmente, poucas coisas tão tontas como fazer um saco próprio para guardar e transportar a Barbie. Mas foi o que eu fiz hoje. Mais precisamente para guardar a Barbie e o Ken, o casal de loiros cá de casa. Talvez o aproximar da Silly Season desculpe este meu desvario. E o que eu me tenho rido para dentro justifica tudo. Eu, que nunca pensei que alguma vez sucumbiria ao apelo de uma Barbie, quanto mais ao do Ken. Quanto mais ao de um saco para os transportar. Viva o Verão e os disparates!

Sexta saia

Não estou a conseguir cumprir os sete dias do desafio das saias que lancei a mim mesma. Demasiadas coisas a acontecer, não me sobra tempo. Mas serão sete saias, isso garanto.

A sexta tinha de ser para a Boo que já teve direito a gorro, cachecol e bibe igual ao que a L. usava na creche mas nunca tinha tido uma saia. Agora já tem.

W.I.P.

A máquina de costura não pára. Mais dodôs para a R., mais saias para a L. que o Verão vem aí e é preciso pôr as pernas a apanhar ar, uma manta em construção.

– – –

O meu lado de respigadora adora encontrar pela casa uma caixa que afinal é uma cama, com restos de espuma que afinal são o colchão perfeito para um bebé fazer a sesta.