Um ano

um ano by you.

nova violeta by you.

Passei o dia a pensar na noite de há um ano. E em como é maravilhoso que ela exista.

Fiz-lhe uma boneca, para comemorar. A Violeta baptizou-a assim que a viu. – É uma Violeta. Tem o cabelo cor-de-rosa como eu. Embora bastante mais discreto, acredite-se. Violeta ficou.

A L. não gostou dos olhos fechados. – Está a dormir, disse eu. – Está bem. Mas quando fizeres a minha faz os olhos abertos, sim? Eu registei o pedido implícito.

Um disparate de uma ideia

Pergunta – Qual é a grande vantagem de lançar desafios a mim mesma e a mais ninguém?

Resposta – Se me apetecer mudo as regras todas. Ou acabo mesmo com o desafio.

Foi o que eu fiz – desafio abortado. Ao terceiro dia, quando me preparava para fazer outra coisa em menos de uma hora, percebi que era um disparate de uma ideia. É possível fazer muitas coisas no espaço de uma hora. Mas não é possível que alguma coisa fique realmente bem feita. Gosto muito das calcinhas que fiz para a R. e vou fazer mais de certeza. Mas desde que as acabei que não penso noutra coisa que não seja refazê-las. Porque na verdade o elástico das pernas está uma trapalhice. E do que eu gosto mesmo é dos acabamentos perfeitos. É isso que me faz querer usar alguma coisa muitas vezes. E é esse o gozo que a costura me dá.

– – –

Depois disto resolvi acabar com mais calma a manta de Verão de bebé que me foi encomendada há uns dias.

– – –

E as etiquetas para os dodôs já estão prontas.

Vamos passear

Agora que estamos quase no Verão, a Primavera parece que chegou. E nós vamos para o campo descansar que bem precisamos. Os planos são dar muitos mergulhos, fazer pic-nics, ensinar a L. a andar de skate, esticar as pernas e não fazer nada, ler à sombra de uma árvore, comer coisas boas e principalmente respirar fundo. Volto já.

– – –

A Small de Verão já aí está.

Uma saia por dia

Estou viciada em saias. Em fazê-las, mais precisamente. Hoje fiz esta. Amanhã farei outra. E depois outra. Resolvi tornar o vício num desafio a mim mesma – uma saia por dia durante sete dias. Veremos o que isto dará.
A Violeta mantém-me deslumbrada com a variedade de cores dos seus sapatos.

Disparates

Ontem foi um dia de disparates.

Enganei-me no dia da consulta da pediatra e fui lá para nada; houve uma confusão com o cartão multibanco e quase que se instalou o caos; tive a brilhante ideia de atravessar a cidade de carro a meio da tarde e fiquei presa no trânsito; passei o dia a entornar coisas, a pisar outras, a esquecer-me de imensas.

Ai, quando o sono comanda a vida…

Vontade de: retomar o tricot do Verão passado + ir ver a Monstra + dormir, dormir, dormir.

Embrulhos

Gosto de embrulhar coisas. Sempre gostei. Lembro-me de, muito pequena, estar a embrulhar os livros que queria levar para as férias de Verão. Um por um, com papel de embrulho e fita-cola.

Normalmente não deixo que me embrulhem as prendas que compro nas lojas. Sou eu que o faço depois em casa. Mas também sou capaz de escolher uma loja pelos embrulhos que lá se fazem.

Suspeito que às vezes ofereço prendas só pelo prazer de as embrulhar.

– – –

Sapatos: Os vermelhos da Violeta. E estes – conseguirei resistir-lhes?

Violeta

A Violeta trabalha cá em casa. Deve ter uns sessenta anos. Fala muito pouco português mas consegue dizer tudo o que quer com a ajuda de muitos sorrisos. Sempre que chega, descalça os sapatinhos de princesa junto à porta e calça umas sandálias de substituição. Tem imensos sapatos e eu, quando a oiço chegar, fico ansiosamente à espera de ver se traz uns novos que eu ainda não tenha fotografado.

Por cada dia que cá vem ensina-nos um bocadinho de búlgaro. A L. diz-lhe palavras em português e a Violeta traduz. Já sabemos dizer sol, chucha, cogumelo, avó, laranja, … todas palavras importantes. Trouxe-nos doce de rosas da Bulgária em homenagem ao nosso bebé e eu hoje pus o Camané a cantar na sala e fiquei a saber que ela adora fado.

Um dia destes, quando o Verão chegar, vamos voltar a ver-lhe os pés com cada unha pintada de uma cor diferente. Um regalo para a L. que adoraria fazer o mesmo. E um regalo para mim que não conheço outros pés assim tão divertidos.