Aprender

Trabalhar aqui é ter, por vezes, o privilégio de ouvir especialistas explicarem como fazem aquilo que fazem muito bem.
A Coelima é uma marca portuguesa de têxteis para a casa com uma longa história de qualidade. As pessoas mais velhas que entram na loja reconhecem imediatamente os lençóis da Coelima porque eram aqueles que se sabia durarem uma vida, sempre macios e bonitos.
A mim o que me fascina é perceber como nada disso acontece por acaso. Por exemplo, quando se fala de toalhas turcas feitas com algodão do Egipto, é mesmo de algodão crescido em campos egípcios que estamos a falar (até ontem eu pensava que se tratava de uma designação para um tipo de algodão que poderia crescer em vários pontos do planeta). Porque este algodão tem umas fibras mais longas do que os outros resulta em felpos mais macios e absorventes.
Aprender é bom.

Vestidos

Ando há meses a achar que estas miúdas precisam de roupa.
Hoje é o dia (e o meu cérebro até bate palminhas).
-
As bonecas estão à venda n’A Vida Portuguesa e os tecidos são restos que a minha mãe me deu das lindas capas do Caderno do Bebé.

Domingo

Há quase um ano que os Domingos passaram a ser de trabalho fora de casa. Não é fácil viver ao contrário dos horários do resto da família. Encho-as de beijos mil vezes antes de sair de manhã a correr. Tricoto-lhes luvas na hora de almoço. Volto para casa à noite.
A hora mudou hoje. Horário de Inverno com calor de Verão. Tudo está um pouco dessincronizado.

Estores

A coisa mais esperta que comprei nos últimos tempos foi isto.
Parece de papel mas não é (o que o torna muito mais resistente) e pode cortar-se com um x-acto, para se poder adaptar o tamanho.
Traz uns clips de plástico para se poder manter mais ou menos subido mas eu troquei-os por umas mini-molas de madeira que cá tinha.
Para se fixar basta usar a fita autocolante que traz num dos topos, sem furos nem pregos. Custa 3 euros.
A mim resolveu-me, pelo menos nos próximos tempos, o eterno dilema em que vivo — não gosto de cortinas porque tapam o céu e as árvores lindas que temos em frente das janelas mas sei que é verdade que cortam o excesso de luz no Verão e tornam os espaços mais confortáveis no Inverno. Reconheço estas vantagens mas nunca acho que superem o prazer enorme de ter as janelas escancaradas ou o céu inteiro a entrar pela casa.
Um dia destes posso sempre fartar-me destes estores e voltar a remoer a questão das cortinas (eu já me conheço). Por agora estamos muito bem assim.